Decommissioning in Oil & Gas

Estratégias para Distribuição de Gás & de origem petrolífera: Refino & Petroquímicos

Os players de distribuição na indústria de energia enfrentam alguns dos maiores desafios em décadas. Embora as manchetes possam destacar os preços voláteis da energia, as empresas de distribuição enfrentam uma série de outros riscos. No topo da lista estão os desenvolvimentos contínuos na reestruturação da indústria, a desregulamentação e a consolidação corporativa. Nesse ambiente, o que é necessário para permanecer competitivo é uma estratégia de longo prazo para melhorar a eficiência operacional, reduzir custos e proteger receitas e margens.

O Futuro da Lucratividade no Setor de Refino

Nas próximas décadas, o panorama para o refino dependerá de cinco fatores principais:

Adoção de Ferramentas e Competências Digitais. O uso do digital no setor de refino de petróleo será essencial para se obter reduções dos custos, maior segurança e otimização mais rápida. Os aplicativos incluem IA para otimização dos processos de produção, bem como automação da gestão de materiais e gestão de ativos digitais. Por exemplo, as empresas podem melhorar a confiabilidade dos ativos através da gestão avançada da manutenção, usando algoritmos de big data e de aprendizado de máquina para otimizar os ciclos de manutenção e prever falhas em equipamentos críticos.

A tecnologia “digital twin”, em que uma réplica virtual é criada e atualizada constantemente, também servirá como uma ferramenta estratégica importante para apoiar e gerar eficiência em todas as três fases da gestão do ciclo de vida: a fase de planejamento, para estimar orçamentos e planejar projetos; a fase de desenvolvimento de projetos, passando do conceito para a construção; e a fase de operações, quando proprietários e operadores têm um ativo final em uso e podem trabalhar para atingir as metas do negócio.

Alcançando a Excelência Operacional. As refinarias hoje estão enfrentando regulamentações crescentes sobre especificações de produtos e emissões de refinarias - essas mudanças exigem grandes investimentos, que não trarão retornos de curto prazo. Para ter sucesso nesse ambiente, as refinarias precisam se concentrar na excelência operacional ao desenvolver um sistema de suporte às decisões que alinha os incentivos econômicos da alta gestão e a experiência no nível operacional:

  • KPIs de fábrica priorizados que impulsionarão o desempenho econômico em tempo real
  • Metas desafiadoras de operação da fábrica, de acordo com o desempenho otimizado e os limites reais
  • Algoritmos preditivos robustos, permitindo uma compreensão completa do processo em cada ponto da planta
  • Maior automação por meio do controle avançado das operações com uma perspectiva econômica
  • Gerenciamento de mudanças que inclui o aumento da responsabilidade e do engajamento dos operadores

Advanced Analytics em processos de planejamento e programação. Os processos atuais de programação das refinarias usam uma abordagem de tentativa e erro com base na experiência dos programadores. Mas a complexidade crescente exige atualizar essa lógica com aprendizagem de máquina, fornecendo uma programação padronizada e otimizada de 30 dias que também ofereça uma resposta ágil à possibilidade de processar um petróleo bruto específico. Os principais benefícios incluem:

  • Otimização da programação com base na economia
  • Maior estabilidade das operações das refinarias
  • Reação rápida a eventos inesperados
  • Aumento no número na alta margem do petróleo bruto processado

Digitalização de Manutenção. As atividades de manutenção têm um enorme impacto financeiro sobre os lucros e as perdas das refinarias (normalmente um terço dos custos do caixa não energético) e também afetam a disponibilidade das refinarias. Quando integrados em um ecossistema industrializado, big data e advanced analytics permitem a tomada de decisão otimizada, bem como a maior confiabilidade, fornecendo:

  • Manutenção preditiva baseada em dados operacionais e características estáticas
  • Digitalização conectada da força de trabalho da fábrica e da manutenção
  • Sistemas de saúde de ativos

Otimizando as Cadeias de Comercialização e Fornecimento. A implementação do MARPOL resultará em uma disrupção do mercado de 2019 até 2022. Para lucrar com essas turbulências, as refinarias precisam ter a flexibilidade para processar uma infinidade de tipos de petróleo bruto e uma avaliação precisa dos fluxos intermediários, o que exige que as operações de comercialização e da cadeia de suprimentos sejam profundamente integradas em operações globais de refino e petroquímica. Isso dará a elas a capacidade de extrair o valor máximo do sistema e tirar vantagem da volatilidade de curto prazo nos mercados internacionais.

Disrupções e Oportunidades na Cadeia de Suprimentos Petroquímicos

  • Sustentabilidade. Os desafios de sustentabilidade são uma prioridade global máxima, influenciando fortemente as regulamentações governamentais e os padrões de demanda do consumidor. À medida que avançamos cada vez mais para uma “economia circular”, os usuários finais e os usuários de produtos químicos estão insistindo na mudança. Tal mudança terá um impacto significativo na embalagem, por exemplo, e fazer escolhas estratégicas agora ajudará as empresas a sair na frente.
  • Digitalização. As principais organizações de produtos químicos começaram a adotar a digitalização, mas a indústria, no geral, está atrasada e há um enorme potencial para aqueles que tiram proveito da mudança digital. A abordagem em relação à transformação exige foco direcionado para três frentes. Primeiro, colocar o digital para trabalhar para transformar o cerne do negócio. Em segundo lugar, encontrar novas ofertas que possam ser desenvolvidas através do digital. E, em terceiro lugar, capacitar as equipes para que possam executar estratégias digitais de forma eficaz a longo prazo.
  • Mudança Geoestratégica. A indústria de produtos químicos no Oriente Médio está fazendo a transição para produtos de maior valor e se concentrando menos nas exportações. A China também está reformulando sua indústria de produtos químicos para se concentrar mais em produtos de alto valor e ser mais limpa e mais eficiente. Essas tendências, juntamente com alterações de tarifas e mudanças no NAFTA e outros acordos comerciais, terão impacto sobre o fluxo de mercadorias e o pricing em toda a cadeia de valor.
  • Novos & Métodos de Fabricação de Materiais. Espera-se que a impressão em 3D de polímeros aumente para uma indústria de USD 180 bilhões até 2035, apresentando desafios e oportunidades para os modelos de negócios de empresas de resina, enquanto consideram fornecedores de materiais e parceiros na fabricação e no design.
  • Caminhos Alternativos para Olefinas. Um cenário de combustível reformulado muda a economia de insumos, tornando as rotas baseadas em metano para olefinas mais viáveis, potencialmente remodelando a curva de fornecimento global e as atuações regionais para etileno e derivados.
  • O Panorama do Refino. As regulamentações de combustível de bordo MARPOL acarretarão a uma mudança na produção das refinarias, potencialmente impactando o fornecimento de propileno. Além disso, uma queda na demanda de gasolina acarretará um excesso de nafta e a possibilidade de paralisações nas refinarias. (Consulte acima para obter mais informações sobre o panorama do refino.)

Conheça Alguns dos Experts do BCG na Distribuição de Gás & de origem petrolífera

O BCG tem experiência com mais de 200 clientes de distribuição de petróleo e gás em todo o mundo nos últimos cinco anos. Marcamos presença em todos os principais segmentos de distribuição e adquirimos experiência em estratégias internacionais de crescimento, otimização de custos, aumento dos lucros e gestão organizacional e de mudanças.

  • Global leader for oil and gas
  • Energy trading and risk management
  • Downstream oil, including ground fuels, aviation fuels, and LPG
  • Operations and efficiency
  • Energy
  • Digital transformation for oil companies
  • Downstream oil
  • Operational transformation and turnaround
  • Leads BCG's global petrochemicals topic
  • Oil and gas downstream (refining, midstream, and petrochemicals)
  • Lean operations
  • Corporate strategy and business unit strategy
  • Oil and gas
  • Energy and utilities
  • Digital and advanced analytics
  • Transformation
  • Leads BCG's Energy practice in Asia-Pacific
  • Transformation and operational excellence
  • Organization
  • Development of corporate and business unit strategy
  • Oil downstream
  • Supply and trading
  • Refining and petrochemicals
  • EPC, engineering, and construction companies
Oil & Gas

SUBSCRIBE