Pioneirismo Africano: Empresas abrem caminho pelo continente

A integração económica da África está em andamento há já algum tempo, graças a empresas africanas e multinacionais, que vêem o seu futuro num continente mais coordenado, afirma um novo relatório do BCG.

LUANDA—Empresas africanas, lideradas por empreendedores africanos, estão a vencer barreiras geográficas, geopolíticas, de mobilidade e de infra-estrutura, de longa data para impulsionar a integração económica do continente.

O recente relatório da Boston Consulting Group (BCG), "Pioneering One Africa", argumenta que, embora a fragmentação sob muitas formas continue a ser um grande problema para as empresas em África, a integração económica não está apenas a acontecer, mas também a ganhar velocidade. Os grandes percursores deste movimento vêm de dentro do continente, liderados por empresários corporativos africanos. O relatório identifica 150 empresas que estão a abrir caminho para uma África mais integrada, e aponta oito factores que explicam como é que estas empresas estão a causar impacto.

"A fragmentação em África é muito maior do que em qualquer outra parte do mundo, e aumenta significativamente os desafios económicos enfrentados pelos países, que normalmente não têm massa crítica para competir globalmente", disse Patrick Dupoux, sócio sénior da BCG e co-autor do relatório. “Apesar destas barreiras, vemos mais sinais de integração económica a cada mês, trimestre e ano. Os seus principais percursores vêm de dentro do continente, liderados por empresas africanas. África investe mais em África, África negoceia mais com África, e os africanos viajam mais para a África. ”

Entre 2006 - 2007 e 2015 - 2016, a média anual de investimento directo estrangeiro africano - dinheiro que as empresas africanas investiram nos países africanos - quase triplicou, de 3,7 mil milhões para 10 mil milhões de US dólares. No mesmo período, o número médio de transacções intra-regionais de Fusões & Aquisições passou de 238 para 418, com transacções lideradas por africanos, representando mais de metade de todas as transacções africanas, em 2015. Enquanto isso, as exportações anuais intra-africanas aumentaram de 41 mil milhões para 65 mil milhões US dólares, e o número médio anual de turistas africanos (africanos que viajam em África) subiu de 19 milhões para 30 milhões. Em 2015 – 2016 os turistas africanos compunham mais da metade de todos os turistas no continente.

A BCG identificou 150 empresas que estão a abrir caminho para uma África mais integrada. Este grupo é composto por 75 empresas sediadas em África, e um igual número de multinacionais que estabeleceram registos impressionantes em África, e estão a contribuir para uma maior integração. Os pioneiros africanos vêm de 18 países do continente: 32 têm base na África do Sul; 10 em Marrocos; Quénia e Nigéria abrigam 6; 4 estão no Egipto; 2 são na Costa do Marfim, Maurícias, Tanzânia e Tunísia. Angola também consta deste relatório, onde a Angolana Refriango marca a sua presença. As multinacionais são um grupo global, com a França, o Reino Unido e os Estados Unidos mais fortemente representados. Ao mesmo tempo, uma dúzia de multinacionais da China, Índia, Indonésia, Qatar e Emirados Árabes Unidos estão activas em toda a África.

Estes pioneiros africanos fazem oito coisas que são essenciais para o seu sucesso:

  • Expandem activamente sua pegada em vários países africanos.
  • Atrevem-se a fazer investimentos significativos em greenfields.
  • Usam as Fusões & Aquisições para acelerar a sua expansão.
  • Constroem fortes marcas africanas.
  • Inovam localmente para se adaptarem ao consumidor africano.
  • Investem em talentos locais e desenvolvem uma vantagem pessoal.
  • Constroem ecossistemas locais.
  • Conectam África facilitando o movimento de pessoas, bens, dados e informações.

A empresa angolana Refriango, consta neste relatório, e foi considerada umas das 150 empresas pioneiras em África, imprimindo a sua pegada no país, com investimentos na criação de estruturas de raiz, na construção de marcas fortes, com um forte investimento em talentos locais, e no desenvolvimento de competências e habilidades dos seus colaboradores. Constroem verdadeiros ecossistemas locais o que permite à organização, aos colaboradores, aos parceiros e aos clientes, uma verdadeira integração, e conexão com África, facilitando o movimento de pessoas, bens, dados e informações.
Este relatório dá crédito aos empreendedores corporativos africanos que, ao investirem cedo na construção de uma pegada no continente, estão a dar uma sensação de realidade à integração de África.

Por exemplo, mais de 80 empresas, das quais 45 são africanas, têm uma grande presença africana, definida geralmente como tendo operações em pelo menos dez países. Nove pioneiros africanos e 11 multinacionais estão a fazer investimentos significativos em novas instalações de produção, ou outras infra-estruturas de negócios, e estão a obter um retorno efetivo de investimento. Quer as empresas africanas, quer as multinacionais estão a fazer aquisições em África, o que lhes garante acesso rápido a novos activos, mercados e clientes. Os pioneiros africanos e as multinacionais experientes aprenderam que muitas vezes é preciso um ecossistema para construir um negócio, e que investir num bom ecossistema, pode ser uma vantagem competitiva. Ao ampliar o impacto de uma empresa pan-africana através de organizações e instituições locais, um ecossistema local também promove o crescimento e o desenvolvimento social. "Se a última década demonstrou alguma coisa, é que estas empresas são mestres em superar as adversidades", disse Lisa Ivers, parceira da BCG e co-autora do relatório. “Estas empresas construíram históricos impressionantes na criação de valor, para si próprias, para o avanço do desenvolvimento do continente, e das suas muitas economias. Sabem que continuar a impulsionar a integração dos mercados africanos, onde fazem negócios, é um caminho fundamental para preparar o caminho para um sucesso maior”.

About Boston Consulting Group

Boston Consulting Group partners with leaders in business and society to tackle their most important challenges and capture their greatest opportunities. BCG was the pioneer in business strategy when it was founded in 1963. Today, we work closely with clients to embrace a transformational approach aimed at benefiting all stakeholders—empowering organizations to grow, build sustainable competitive advantage, and drive positive societal impact.
 
Our diverse, global teams bring deep industry and functional expertise and a range of perspectives that question the status quo and spark change. BCG delivers solutions through leading-edge management consulting, technology and design, and corporate and digital ventures. We work in a uniquely collaborative model across the firm and throughout all levels of the client organization, fueled by the goal of helping our clients thrive and enabling them to make the world a better place.

Press Releases